(CLIQUE NAS IMAGENS PARA VÊ-LAS EM TAMANHO REAL)

sexta-feira, 29 de julho de 2016

Brisbane (PARTE 2): Coalas urrando, dormindo abraçados e nos abraçando

Como prometido na primeira parte (se você não viu, confira AQUI), esse post vai ser dedicado ao Lone Pine Koala Sanctuary, um zoológico especializado em Coalas, com mais de 130 exemplares (maior número em todo o mundo).

Tem filhotes, casais, machos urrando pra chamar a atenção das fêmeas, parada pra pegar coala no colo e até coalas dormindo abraçados! O pacote é completo pra quem gosta de coalas.

Vamos às fotos e vídeos, começando pelo abraço no coala:






Uma das cenas mais fofas que vimos foram os coalas dormindo abraçados:





Tem uma seção chamada "jardim da infância", onde ficam os filhotes:


E aqui um vídeo com um pouco de tudo: um coala macho urrando pra chamar a atenção das fêmeas (o barulho é surpreendente e não combina nem um pouco com a "fofura" do bichinho), um pouco dos filhotes e, claro, os dois que dormiram abraçados:

Apesar de ser um zoológico de coalas, o Lone Pine também tem outros animais. A parte mais interessante foi a dos cães de pastoreio, mas a parte com a cobra no ombro também foi massa e, como não podia deixar de ser, os cangurus também deram o ar da graça:













sábado, 16 de julho de 2016

Brisbane (PARTE 1): South Bank, Praia Artificial, Wheel of Brisbane e Monte Coot-tha

Em Outubro do ano passado fomos conhecer Brisbane, cidade localizada no estado de Queensland (QLD), no Nordeste do país. Passamos 3 rápidos dias por lá, mas foi o suficiente pra voltarmos com uma ótima impressão, já pensando em quando seria nossa próxima visita.

Não é difícil entender por que a cidade, que conta com cerca de 2 milhões e 300 mil habitantes, todo ano figura no top 20 das melhores do mundo pra se viver: limpa, organizada, tranquila, segura, arborizada... não faltam bons adjetivos pra descrever esse lugar que, sem a menor sombra de dúvidas, oferece uma qualidade de vida invejável.

Vou fazer dois posts mostrando um pouco do que vimos por lá. Nessa primeira parte, um pouco do South Bank, com sua belíssima praia artificial, a famosa Wheel of Brisbane (uma enorme roda gigante) e sua deliciosa feirinha de rua, e também um pouquinho do Monte Coot-tha e suas belíssimas vistas.

Então vamos lá, começando pela praia artificial:



A Wheel of Brisbane, uma enorme roda gigante que proporciona uma bela vista da cidade:





O South Bank é enorme. Além da praia artificial e da roda gigante,
tem muita área verde, uma feirinha de rua e vários restaurantes e bares,
tudo numa atmosfera super agradável:







Essa foto a gente tirou de um dos restaurantes no South Bank:
é a cidade vista à noite, refletida no Brisbane River

A foto abaixo é de uma sorveteria que estava atraindo muita atenção com uma fumaça branca que tomava conta do ambiente. Eu nunca tinha ouvido falar em sorvete de nitrogênio líquido, então tive que experimentar.
O sabor é o mesmo, a textura é que muda.
Acho que a parte mais interessante é mesmo a preparação e o "fator espetáculo"...

O Monte Coot-tha também oferece belíssimas vistas da cidade,
além de ter um restaurante excelente:



E pra encerrar, uma curiosidade: em Brisbane é possível alugar bicicletas na rua.
A foto abaixo é de um dos  "estacionamentos": é só pagar na máquina e pegar a bike pra usar o dia todo. A devolução pode ser feita em qualquer outro ponto como esse - tem vários espalhados pela cidade, é super fácil de achar.


A Parte 2 vai ser dedicada ao passeio no Lone Pine Koala Sanctuary, um zoológico "focado" em Coalas. Rolou coalas dormindo abraçados, machos urrando pra chamar a atenção das fêmeas, pegar coalas no colo... não perca porque tá muito massa!



domingo, 27 de dezembro de 2015

Post Especial de Fim de Ano: Cervejas Australianas

Vim pro Brasil passar Natal e Ano Novo com a família e uma coisa que não me saía da cabeça desde que cheguei era qual seria o post especial de fim de ano. Estava sem ideias, mas foi só tomar o primeiro gole de Brahma que a ideia veio de imediato - não pelo efeito do álcool, mas sim pelo sabor da cerveja. Com um churrasco atrás do outro, muita Brahma pra baixo e uma saudade cada vez maior das cervejas australianas, a ideia ganhou força e virou esse post. :)

Essa imagem está longe da realidade.
Leia o post completo e vai entender... ;)
Pra quem gosta de apreciar a bebida pelo seu sabor e não simplesmente pra encher a cara, a Austrália é um prato cheio. As cervejas são, na maioria dos casos, encorpadas, saborosas e feitas com ingredientes de qualidade. A diferença é tanta que toda vez que venho pro Brasil tenho a impressão de estar tomando cerveja diluída em água.

Pode parecer esnobe e exagerado, mas quem me conhece sabe que não tenho disso - é simplesmente a mais pura verdade. Pra efeito de comparação: a Heineken, que no Brasil é considerada forte e saborosa, na Austrália é, pra grande parte dos apreciadores, uma das que sobram na geladeira.

Assim como tudo que tem um sabor novo e "desafiador", não é amor à primeira vista, mas depois que o paladar se acostuma não tem mais volta. Nas minhas primeiras semanas de Austrália, lá em Fevereiro e Março de 2011, eu também achava as cervejas locais muito fortes, mas foi só questão de tempo pra me acostumar. Lembro certinho de quando fomos jantar em um restaurante brazuca depois de uns 6 meses morando em Sydney e, ao pedir uma Skol e beber o primeiro gole, ter aquele momento de dúvida: "será que tá tudo certo com essa cerveja? Parece que diluíram em água, tá estranho isso aqui!" Cheguei a trocar uma ideia com o garçom, que era australiano, e ele me disse que era apaixonado pelo churrasco brasileiro, mas não gostava das cervejas, que eram "too watery" (muito aguadas) pra ele.

Um detalhe interessante: o teor alcoólico é o mesmo das cervejas brasileiras, sempre variando entre 4 e 5%.  O que muda são os ingredientes e o modo de preparo.

Cerveja mais consumida por estado
A variedade é outro ponto positivo. Não bastassem as inúmeras opções de cervejas locais, o número de importadas que são fabricadas localmente e, por conta disso, podem ser encontradas com facilidade e com os mesmos preços das locais também é grande: Peroni (italiana), Asahi (japonesa), Heineken (holandesa), Guinness (irlandesa), Beck's (alemã), Stella Artois (belga), Kirin (japonesa), Carlsberg (dinamarquesa), Birra Moretti (italiana), Corona (mexicana), Budweiser (americana), Hoegaarden (belga), Leffe (belga), Kilkenni (irlandesa), Miller (americana), Grolsch (holandesa)... e a lista continua com outras marcas não tão famosas.

A maior fabricante de cervejas da Austrália é a Lion, que é responsável pelas principais marcas de cerveja do país. O stand da foto abaixo, parte de uma campanha publicitária bem massa da Lion, foi montado em pontos de ônibus espalhados pelo país. A campanha, chamada "Beer, The Beautiful Truth", tem como principal fator de venda o fato de que a maioria das cervejas manufaturadas pela Lion é, em média, 99.9% livre de açúcar. O site da campanha, que conta com informações sobre o processo de fabricação das cervejas, quizzes e vídeos, pode ser visitado AQUI. Vale a pena uma espiada, tem muita informação interessante.

No entando, a Lion, mesmo com toda essa variedade, está longe de ter um monopólio como o que a Ambev tem no Brasil, por exemplo. Separei algumas imagens que mostram bem o número de opções por aqui:
Diferentes opções numa LiquorStore

Aqui a continuação do freezer da foto anterior, na mesma LiquorStore

Pesquisa online sobre alguns dos tipos de cerveja que é possível encontrar no país

 Continuação da pesquisa, com outra lista de cervejas

A segunda maior fabricante é a Foster's, que recentemente mudou de nome pra Carlton & United Breweries. Uma curiosidade interessante sobre a companhia é que eles fabricam a Foster Lager, a cerveja australiana mais conhecida globalmente e que foi, em 2005, uma das dez cervejas mais vendidas no mundo, mas que é praticamente inexistente no mercado local (eu mesmo nunca experimentei, já que nunca vi uma pra vender em Sydney ou em qualquer outra cidade australiana que visitei).

Pra quem estiver no Brasil e quiser experimentar, pesquise no Google por "cervejas australianas no Brasil", dá pra achar algumas importadoras que vendem no país. A variedade é pequena, mas já dá pra ter uma noção do sabor.

Abraço a todos e valeu por mais esse ano de blog! Feliz 2016!


domingo, 8 de novembro de 2015

Enfim, Cidadãos Australianos! - PARTE 2

Como expliquei certinho na Parte 1 (link AQUI), em Setembro recebemos a cidadania australiana e em Outubro os passaportes (a linha do tempo detalhada do processo está lá no post anterior, se não viu dê uma conferida rapidinha). Nesse post vou falar e mostrar um pouco da cerimônia de cidadania e também dos passaportes.

A cerimônia ocorre no Council do qual a residência do aplicante faz parte - no nosso caso, no North Sydney Council (Council é o equivalente ao que no Brasil se conhece por "sub-prefeitura"). Alguns Councils têm cerimônias de cidadania toda semana, outros em frequência um pouco menor - tudo depende da demanda da região e também do tamanho do salão onde a cerimônia ocorre. O de North Sydney tem uma cerimônia por mês, e a nossa foi a de Setembro. Pelas nossas contas, umas 50 pessoas receberam a cidadania naquela cerimônia e havia mais umas outras 100 como convidados.

A coisa toda dura menos de uma hora e consiste basicamente em três partes: um discurso do Mayor do Council (equivalente ao "sub-prefeito"), o juramento e, por fim, a entrega dos certificados de cidadania.

Foto tirada durante o discurso de Jilly Gibson, a Mayor de North Sydney

O juramento

A gente recebendo os certificados

Finalmente, cidadãos! :)

Depois rolou um jantarzinho pra comemorar

Dez dias depois da cerimônia já é possível aplicar pro passaporte. O processo é bem simples, apenas alguns formulários, fotos e documentos pessoais. A aplicação em si é feita no Australia Post (o "Correio" daqui) e, no máximo em duas semanas, os passaportes chegam.

Receber um envelope do Departamento de Imigração, abrir e ver um passaporte australiano com sua foto e seus dados é bom demais. Bate aquela sensação gostosa de dever cumprido, de meta alcançada - de que todo o esforço valeu a pena. :)


quarta-feira, 14 de outubro de 2015

Enfim, Cidadãos Australianos! - PARTE 1

Esse post é pra contar que finalmente somos CIDADÃOS AUSTRALIANOS!!! É uma conquista que significa muito, mas muito mesmo pra gente. É a linha de chegada de uma caminhada que começou mais de 6 anos atrás, em Fevereiro de 2009, quando comecei a pesquisar sobre imigrar para a Austrália.

O pré-requisito pra poder aplicar pra cidadania australiana é bem simples de entender: 4 anos morando na Austrália (pelo menos 9 meses por ano), sendo pelo menos o último ano com visto de residência. Vou listas as principais datas dessa jornada abaixo:

- Fevereiro de 2009: começo das pesquisas sobre imigração para a Austrália

- Maio de 2009: contratação do agente imigratório

- Agosto de  2009: aplicação para o reconhecimento de profissão justo à ACS (Australian Computer Society, órgão responsável por "validar" profissionais de TI estrangeiros)

- Setembro de 2009: aprovação no IELTS (exame de inglês necessário para o processo imigratório)

- Outubro de 2009: aprovação da ACS

- Novembro de 2009: entrada no processo de solicitação do visto de residência junto ao Departamento de Imigração Australiano
"Our Common Bond", o material de estudos
para o exame da cidadania australiana

- Março de 2010: exames médicos

- Abril de 2010: visto aprovado!

- Fevereiro de 2011: mudança

- Fevereiro de 2015: quatro anos completados - aplicação para a cidadania australiana

- Março de 2015: exame da cidadania

- Maio de 2015: cidadanias aprovadas!

- Setembro de 2015: cerimônia de cidadania e aplicação para os passaportes

- Outubro de 2015: recebimento dos passaportes!

O processo de aplicação para a cidadania é relativamente simples. Digo "relativamente" porque ele é, sim, meio chatinho, mas infinitamente mais simples do que o processo do visto de residência, com sua lista gigante de documentos e seus intermináveis formulários, traduções juramentadas, exames médicos, exames de inglês etc etc etc.

São basicamente três etapas:
- A aplicação em si
- O exame
- A cerimônia (que é quando o aplicante recebe o certificado de cidadania e se torna oficialmente um cidadão australiano)

O certificado de cidadania australiana
A aplicação consiste apenas em alguns formulários, cópias de documentos e o que é, na minha opinião, a única parte mais chatinha do processo: um documento e uma foto assinados por algum cidadão australiano que te conheça há pelo menos um ano, não seja parente e que trabalhe em uma das profissões "aceitas". São 38 profissões no total, que estão listadas na primeira e segunda páginas desse documento AQUI.

Depois de aplicar, em uns 15 dias é marcado o exame, que é super simples. São 20 questões com três alternativas cada, e o material de estudos, chamado "Our Common Bond", pode ser baixado gratuitamente AQUI (a parte que "cai" no exame vai só até a página 33). Nós acertamos as 20 questões em menos de 5 minutos - o que não quer dizer muita coisa, já que, como eu disse, o exame é uma piada. Não conheço ninguém que tenha acertado menos de 18. :-D

Fizemos o exame no fim de Março e na metade de Maio recebemos as cartas contendo as confirmações oficiais de que nossas aplicações foram aprovadas. A partir desse ponto está tudo confirmado, basta esperar uma outra carta avisando a data da cerimônia. O prazo máximo estipulado entre a data da aprovação e a data da cerimônia é de seis meses, e no nosso caso levou 4: no final de Agosto chegou a carta avisando que nossa cerimônia seria na metade de Setembro.

No próximo post vou falar sobre a cerimônia e postar algumas fotos e vídeos pra vocês poderem ter uma noção de como é, além de também falar um pouco sobre os passaportes.



quarta-feira, 19 de agosto de 2015

Tasmânia (PARTE 5): Bay of Fires, Cradle Mountain e Wombats soltos!

E finalmente está no ar o último post da série sobre a Tasmânia! Se você não viu os posts anteriores, recomendo que dê uma olhada pelo menos no primeiro pra poder se situar melhor. Seguem os links: PARTE 1, PARTE 2, PARTE 3 e PARTE 4.

Como prometido, nesse post vou mostrar a Bay Of Fires, a belíssima Cradle Mountain e, finalmente, os wombats soltos que encontramos durante a visita a Cradle Mountain! :)

Vou começar pela Bay Of Fires, um conjunto de praias que mesclam areia branca, água cristalina e pedras alaranjadas pra criar uma paisagem que, embora não seja nada de outro mundo, pode ser considerada, no mínimo, bem bonita:








Passamos só uma horinha lá, logo de manhãzinha, e logo em seguida já partimos rumo a Cradle Mountain. Foi uma longa e cansativa viagem de duas horas em estradas bem irregulares e cheias de curvas, mas é praticamente desnecessário dizer que valeu a pena.

Na recepção do National Park de Cradle Mountain já dá pra pegar um ônibus que leva até Dove Lake, o famoso lago que está em praticamente toda foto de Cradle Moutain. O motorista do ônibus vai dando informações turísticas no caminho, filmei um pouquinho:

Em pouco mais de dez minutos estávamos no Dove Lake. Passamos umas duas horas admirando as belíssimas paisagens. Seguem algumas fotos e vídeos:








E num golpe de sorte, como que pra fechar com chave de ouro, vimos um wombat solto no caminho de volta até a recepção! Pedimos pro motorista parar e descemos pra tentar uma aproximação. 

Estávamos um pouco ressabiados (o wombat é um animal selvagem e ele estava em seu habitat natural, portanto não tínhamos ideia de como ele reagiria), mas não teve erro: o bichinho nos ignorou completamente! haha... Não ficou com medo, não ficou feliz, não ficou bravo... Foi como se nada tivesse acontecido. Teve uma hora em que uma das meninas que desceu do ônibus com a gente estava no caminho e ele simplesmente seguiu em frente, esbarrando na perna dela... haha!

Seguem fotos e vídeos:




Momento em que ele esbarrou na perna da menina pra poder continuar seu caminho:



É isso! Obrigado por acompanhar o blog, logo tem mais! :)