(CLIQUE NAS IMAGENS PARA VÊ-LAS EM TAMANHO REAL)

terça-feira, 26 de agosto de 2014

Como é ter um Cachorro na Austrália - Parte 2

Cerca de dois meses atrás fiz um post sobre como é ter um cachorro na Austrália (link AQUI), mas por fim o post acabou ficando tão focado na história de como adotamos o nosso dog que eu praticamente não falei sobre o tema do post. Pois bem: esse post é pra "corrigir" esse problema e falar, efetivamente, sobre como é ter um cachorro por aqui.

(Antes de continuar, uma rápida explicação: Gustavo Campos, brother dos tempos de Kaizen que é apaixonado por cães, sugeriu que eu falasse sobre o processo pra se levar um cachorro do Brasil pra Austrália. Pesquisei um pouco a respeito mas infelizmente as informações são bem confusas: tem gente que fala que tem que deixar o dog por seis meses de quarentena na Argentina, tem gente que fala que são apenas 10 dias aqui em Sydney... enfim, o único jeito de descobrir as informações confiáveis seria ligando pros órgãos responsáveis, então vou ficar devendo essa)

Uma coisa que impressiona qualquer brasileiro que chega em Sydney é que praticamente não existem cachorros de rua por aqui. Pra entender como isso é possível, basta analisar a lista EXIGIDA POR LEI de quem quer ter um cão:

O microchip obrigatório
- Registrar o cão no local council (subprefeitura local): é como se fosse um "documento de identidade" do cão, contendo detalhes como o nome, a data de nascimento, a raça e, obviamente, os dados pessoais do(s) dono(s).

Colar obrigatório do Steven
- Instalar o microchip de identificação: todo cão tem que ter, além de um registro, um microchip de identificação. Ele é instalado na parte traseira do pescoço do cão, é do tamanho de um grão de arroz, não causa desconforto nenhum e dura a vida toda do animal. A única informação contida no chip é o número único de identificação do animal, que tem 15 dígitos e passa a ser linkado ao registro do cão no council. Se o pobre animalzinho se perder ou for abandonado, basta escanear o chip pra ter acesso ao número e, com ele, saber imediatamente todos os detalhes do cão - inclusive as informações de contato do(s) dono(s).

- Colar de identificação: além do registro e do microchip, é obrigatório que todo cão use, em locais públicos, um colar contendo seu nome e o telefone ou endereço do(s) dono(s)

Realmente impressionante né? Pois é, isso já explica, em parte, porque o número de cachorros de rua é tão pequeno por aqui.

Outra coisa que colabora (e muito) com essa estatística é a existência de inúmeras entidades de resgate de cães abandonados. São organizações sem fins lucrativos que recebem cachorros encontrados abandonados pelas ruas e dão a eles todos os tratamentos necessários (registro, chip, tratamento médico, limpeza, alimentação etc) até que eles encontrem um lar definitivo.

Steven, o nosso figurinha, era um desses dogs. Quando foi resgatado ele estava todo sujo, fedido, magro e com uma doença séria nos olhos. Hoje, quase um ano depois da adoção, ele é outro cão.

Voltando às entidades (senão vou ficar falando do Steven até o fim do post... haha): nós resgatamos o Steven da PAWS (site AQUI), mas existem inúmeras outras: RSPCA, Doggie Rescue, Animal Adoption, Pet Rescue, Fetching Dogs, No Kill Pet Rescue... a lista é enorme.

Quem encabeça a PAWS é uma senhorinha muito gente fina chamada Denise, que inclusive já apareceu algumas vezes no programa de TV Bondi Vet. Uma dessas aparições tá no vídeo abaixo, mas no canal do YouTube da PAWS (link AQUI) dá pra ver todas:


Com todas essas regulamentações e entidades, dá pra entender porque quase não se vê cachorros abandonados por aqui. :)


23 comentários:

Charles disse...

Grande Eduardo, na Epoca que viemos pra ca em 2010 , era assim:

Se o animal morava no Brasil ele precisava ficar 3 meses de quarentena em outro Pais antes de vir pra australia, o mais facil/barato no caso seria a Argentina.

Agora se o animal vem de outro lugar como por exemplo os EUA , ai eh soh ficar 10 dias em Sydney mesmo...

Eduardo Slompo disse...

Valeu pela info, Charles. Putz, 3 meses sem o dog é triste hein... espero q tenha mudado...

Anônimo disse...

Bondi Vet é muito maneiro, curto d+.
Esse microchip me lembrou algo escatológico rsrsrs. Enfim, muito legal saber que possuem uma política tão rígida para evitar o sofrimento de animais que acabam sendo abandonados.

E.S

Anônimo disse...

Bom dia Eduardo, meu nome e Arthur Freitas .. Desculpe nao estar comentando sobre o assunto Dog , mas e so sobre outro post seu ..
e em relaçao a trabalhos de Ti na Austraia , em 2015 começo a cursar gestao de Ti sera que tem um bom mercado ai na Australia ?
obrigado desde ja ... muito bom seus posts

Eduardo Slompo disse...

Pois é, Eliseu, isso é bem bacana, algo que o Brasil podia copiar...

Arthur, TI tem mercado em qualquer lugar do mundo, a questão é sempre conseguir o visto pro país onde você quer mudar.

No caso da Austrália, você tem que completar um bacharelado (4 anos período integral), esperar completar um ano de formado e só então aplicar pro visto.

Anônimo disse...

Ah entendi , entao e que essa facul de gestao e apenas de 2 anos , mas nao sei se encaixa nesse padrao neh , mas muito obrigado pela dica..

Eduardo Slompo disse...

Depende, até vale, mas vc tem que ter pelo menos 5 anos de formado, ou seja, ainda tem um longo caminho pela frente. :)

Anônimo disse...

Oi, Eduardo.
E essa licença e chip etc custam muito dinheiro???
Levar daqui já vi que é praticamente impossível, tem uma lista de países dos quais fica mais fácil. Talvez por isso esse lance da quarentena na Argentina.
Obrigada!

Eduardo Slompo disse...

A licença e o chip custam algo em torno de 300 ou 400 dólares, não lembro exatamente. Parece bastante, mas se vc parar pra pensar no benefício e tranquilidade que isso dá, acho que vale a pena. :)

Abraço!

Gilmar disse...

Olá a todos, com relação a exportação do seu dog encontrei este link, mas é bem complexo e técnico, não entendi 100% do processo... Mas não achei nenhum lugar falando sobre 6 meses de quarentena como vi em alguns outros blogs pela net... Espero q não seja tão complicado assim, pq está sendo uma grande limitação para mim :(...

http://www.agriculture.gov.au/biosecurity/cat-dogs/step-by-step-guides/nac-cat3dogs

abs

Eduardo Slompo disse...

Valeu pelo link, Gilmar. Realmente é bem complicado, confesso que não tive coragem de ler tudo. Acho que vou esperar pra quando eu precisar (ou então esperar alguém passar por isso e vir aqui contar como foi... hehe)

Valeu, abraço!

Sophia Mereb disse...

Muito Bom post!
Qual seria o custo médio para se ter um cão por aí?

Eduardo Slompo disse...

Oi Sophia,

O gasto mais expressivo é o plano de saúde, a gente gasta uns $55/mês. Sei que é engraçado e parece exagero, mas qualquer exame ou cirurgia que tem que fazer no veterinário são pelo menos mil dólares, então o plano de saúde acaba sendo "obrigatório", todo mundo que tem animal de estimação faz.

Depois vem as miudezas: comida (uns $15/mês), banho (cada banho uns $40) e outras coisinhas aqui e ali.

Sophia Mereb disse...

Obrigada pela resposta, Eduardo!
Estou interessada na "Foster Family" inicialmente, porém a minha preocupação é em caso de viagem, tem algum lugar para deixar o cão? Um hotel ou alguma casa?

Eduardo Slompo disse...

Sim, Sophia, tem hotéis pra cachorros ou então existe gente que faz serviço de "House sitter" (vc paga pra pessoa tomar conta da sua casa, seus animais, suas plantas, sua correspondência etc). E claro, também tem o bom e velho "deixar com um amigo". :)

Anônimo disse...

Olá Eduardo!

Quem escreve é a Cris de novo!! No outro Post sobre Dog você me ajudou esclarecer umas dúvidas, prometi compartilhar minha experiência em trasportar Pets do Brasil para Australia...segue as dicas: Qualquer Pet brasileiro para entrar na Australia terá que passar por quarentena em um país aprovado - que atualmente são de 45 a 50 dias e não mais 180 dias como antes, além disso o bichinho poderá ficar com os donos no país escolhido. Já os procedimentos para transporte exigidos pelo governo australiano, deverão iniciar 180 dias antes da data de embarque e podem ser feitos no Brasil. Para iniciar este processo o cão deverá receber um microchip - ser vacinado contra raiva - fazer a coleta de sangue - enviar a amostra para um laboratório aprovado - enviar resultado para Aus - receber a autorização de importação.
Depois disso aguardar 130 dias para mover o Pet para um país aprovado, onde o pet terá que fazer exames, tomar vacinas e tudo mais. Após cumprir os 50 dias no país escolhido o bichinho poderá ser transportado para o Destino final e lá sim, terá que cumprir no mínimo 10 dias na estação de quarentena em Melbourne(a estações de Sidney e Perth foram desativadas e uma nova está sendo construída em Victoria). O Site australiano do departamento de agricultura, tem todas as explicações necessárias de maneira muito detalhada, além disso eles respondem perguntas via e-mail dentro de 1 semana. Na minha opinião uma pessoa interessada em levar seu Pet para Australia, deverá ler e procurar entender cada passo deste processo, porque não é uma tarefa fácil,sendo totalmente necessário contratar uma agência especializada em trasporte de animais, planejar com antecedência e sobretudo ter boa reserva financeira - os custos são altos....mas enfim meu Dog é um filhinho e vou vender coisas para levá-lo - jamais irei abandonar!! Espero ter ajudado - pesquisei muito sobre o assunto, liguei para setor responsável na Australia para checar todas as informações, mesmo assim o governo pode mudar alguma regrinha por isso a única fonte segura de informação é o site http://www.agriculture.gov.au/cats-dogs
Segue um link de uma experiência positiva de Pets viajando para Australia - Eduardo, peço licença para compartilhar - www.overseasdoc.com/archives/1291
Abraço e sucesso na sua jornada!!

Eduardo Slompo disse...

Muito obrigado, Cris, obrigado mesmo!

Não quer fazer um Post Parceiro sobre isso? Me manda um email se interessar: duslompo@yahoo.com.br :)

Anônimo disse...

Oi Eduardo!! Claro que sim!! terei o maior prazer em ajudar porque realmente é um assunto complicado e diz respeito a uma das coisas que mais amo na vida - Dogs!!!! vou te escrever ok!!

Eduardo Slompo disse...

Combinado! Escreve um rascunho inicial e me manda, aí a gente vai ajeitando: duslompo@yahoo.com.br

VG FUN RESIDENCE FORTALEZA disse...

Olá. Fiquei com uma duvida. Então atualmente o Dog pode iniciar totalmente o processo no Brasil?? O chip e as primeiras vacinas e isso??? Somente com 45 dias antes de ir para Austrália e que ele tem que ir ao país aprovado???
Você tem alguma indicação de empresa que fale português que nos ajude nesse processo?

Alana lima

Eduardo Slompo disse...

Alana,

Não sei como funciona o processo, só o que ouvi falar é que as regras mudaram bastante ultimamente e parece que agora são só umas duas semanas na Argentina e depois mais 10 dias aqui no aeroporto de Melbourne. Não tenho certeza sobre isso, é só o que ouvi falar, recomendo dar uma pesquisada com mais calma. :)

Abraço

PS: não deixe de dar uma conferida no "POST MAIS IMPORTANTE DO BLOG" quando tiver uns minutinhos, o link tá lá em cima. :)

RG Genetica Avançada Reprodução disse...

Ola, sabe me dizer os precedimentos de levar um cachorro da Austrália para o Brasil?

Eduardo Slompo disse...

Putz, essa vou ficar devendo... dá uma pesquisada no Forum Canguru, lá tem informação par gente de todas as áreas de atuação! :)