(CLIQUE NAS IMAGENS PARA VÊ-LAS EM TAMANHO REAL)

segunda-feira, 1 de julho de 2013

Participando do Mosaico Virtual da Jô Turquezza

Pra mulherada que não conhece o Turquezza Variedade, o blog da Jô Turquezza, vale a pena visitar. Ela viaja muito, inclusive passou férias em Sydney por algum tempo e ficou fã da cidade, e justamente por gostar tanto de turismo resolveu criar um mosaico virtual de blogs de viagem (link AQUI), para o qual fomos convidados.

Pois bem, esse post é pro mosaico. Vou aproveitar uma entrevista que dei pro Entrevistando Expatriados em Agosto de 2011 (link AQUI) e postar alguns trechos, imagino que vai ser suficiente pra garantir uma "vaguinha" no mosaico. :)

Seguem alguns trechos da entrevista (o link da entrevista completa está no parágrafo acima):

- Quando surgiu a idéia de residir no exterior?
Durante o tempo em que trabalhei na Ericsson, multinacional sueca, tive contato com muita gente com bastante “tempo de casa” que vivia viajando para projetos no exterior. Conforme eu ia conversando com essas pessoas e conhecendo as suas experiências mundo afora, ia crescendo em mim a vontade de passar por aquilo também. Tive a primeira chance quando passei três meses em Shanghai, mas ainda não foi o suficiente. O que eu queria era construir algo sólido, não de apenas 3 meses, e em um país de primeiro mundo que me valorizasse profissionalmente. A Austrália está sendo esse país que eu procurava.

- Foi difícil conseguir o visto de residência ou o visto de trabalho?
Não foi difícil, apenas exigiu paciência e foco. Havia a tentadora possibilidade de vir para a Austrália com o visto de estudante, que sai em apenas um mês! Mas como ele tem várias restrições com relação às possibilidades de trabalho e não me possibilitaria alcançar o objetivo de desenvolver uma carreira sólida na minha área (TI), mantive os pés no chão e o foco no meu objetivo final, optando pelo caminho do visto de permanente residente. O processo todo levou mais de um ano e custou um bom dinheiro mas valeu cada centavo gasto e cada dia de espera.

- Você trabalha? Como a renda familiar é obtida?
Trabalho desde o segundo dia em que cheguei aqui! Um mês antes de vir comecei a mandar meu currículo para as vagas que se encaixavam em meu perfil profissional de desenvolvedor de software. Foram várias vagas, das quais 12 resultaram em um processo seletivo iniciado ainda no Brasil, via telefone ou Skype. Dos 12 processos, 5 resultaram em uma entrevista presencial marcada para a primeira semana de Austrália. Logo na primeira entrevista já recebi uma proposta, ou seja, arrumei emprego menos de 24 horas depois de desembarcar em Sydney! Não poderia ter sido melhor. Atualmente estou no meu segundo emprego. 
*** Informação da época, já está desatualizada, atualmente estou no meu quarto emprego

- O que você pensa sobre seu novo país e o local onde mora (e/ou onde morou)? Eles respeitam os Brasileiros e outros expatriados vivendo nesse país?
A Austrália é um país multicultural. Há 20 anos as portas estavam completamente escancaradas para os imigrantes, o que fez com que a população australiana passasse por uma forte miscigenação. Por conta disso, o que se vê em Sydney (não sei como é nas cidades menores e interioranas) é uma mistura de gente de todo canto do mundo. Os australianos estão super acostumados com isso e não têm o menor preconceito – pelo contrário, eles sabem da importância dos imigrantes qualificados para a economia do país e nos tratam muito bem! Ainda falando sobre a miscigenação, acho interessante mencionar a mistura cultural do projeto em que estou trabalhando agora: num grupo de 30 pessoas, há um ucraniano, um chinês, três indianos, um alemão, um neozelandês, uma mexicana, um vietnamita, dois taiwaneses, uma tanzaniana e uma iraniana. A gente até brinca dizendo aos australianos pra eles se sentirem em casa pois a gente não tem preconceito.
*** Também é informação da época, mas curiosamente hoje estou no mesmo projeto em que estava quando dei a entrevista e ele continua com gente de todo canto do mundo

- Sente saudades da familia no Brasil?Sente falta de produtos, alimentos e outras peculiaridades? 
Não sentimos falta de quase nada do Brasil: temos calor, temos praias, temos todas as comidas que tínhamos no Brasil, jogo futebol, tomo cervejas de ótima qualidade (bem melhor que as brasileiras), viajo bastante, faço musculação, vejo filmes – enfim, tudo o que fazia no Brasil. As únicas coisas que não dá pra ter aqui são a família e os amigos de longa data, e isso sim faz falta – por isso eu disse acima que não sentimos falta de quase nada do Brasil: o “quase” se refere à família e aos amigos de lá. Felizmente, com o Skype podemos conversar com vídeo diariamente e isso ajuda bastante.

- O que costuma fazer nas horas vagas, finais de semana e feriados? Quais as atividades recreacionais existentes? 
Praticamente a mesma coisa que fazia no Brasil: sair com amigos para pubs e restaurantes, assistir filmes, viajar e, quando está quente, curtir uma praia. A diferença é que aqui a gente tem muito mais opções de viagens turísticas, então praticamente todo fim de semana vamos conhecer algum lugar diferente na região.

- Quais os pontos positivos e negativos de morar nesse país?
Os negativos são os mesmos de se morar em qualquer outro país que não seja o seu local de origem: saudades da família e dos amigos antigos. Todo o resto, absolutamente sem exceções, é positivo.

- Qual a curiosidade que mais te chama a atenção nesse país?
Várias coisas são interessantes na cultura australiana. A principal delas é a tranquilidade do povo local, que se traduz na frase mais dita por eles: “no worries, mate“ (algo como “desencana, cara“). O australiano em geral é bem tranquilo e não é do tipo que tem grandes ambições, por isso é difícil ver algum deles estressado ou ansioso. Outra curiosidade é que eles são grandes bebedores de cerveja.

- Você tem sugestões ou dicas para pessoas que pretendem viver nesse país? 
Fazer um planejamento no longo prazo, sem pressa, para poder juntar o dinheiro necessário e conseguir um visto que possibilite exercer sua profissão na Austrália sem ter que mudar de ramo.


6 comentários:

Jô Turquezza disse...

Oi Eduardo, estou imensamente agradecida e feliz por você aceitar participar do Mosaico do meu Blog.
Viajei ..........
Obs.: Não morei na Austrália, apenas passei um mes de férias, em Sydney.
Mas o sonho é morar mesmo, um dia quem sabe?
Mais uma vez obrigada.
Beijos.

Eduardo Slompo disse...

Que isso, a gente é que agradece por ter sido convidado. Já corrigi o texto, obrigado por me avisar.

Bjão!

Matheus Araújo disse...

Fala Eduardo, muito legal ter postado isto. Obrigado de novo pela ajuda! Abraço!

Eduardo Slompo disse...

Fala Matheus, legal q curtiu o post, continue seguindo! :)

Orvalho do Céu disse...

Olá, querida
Um post muito bem explicadinho com chance de ajudar a muitos que desejam se arriscar e ser feliz!!!
Bjm de paz e bem

Eduardo Slompo disse...

Valeu!!!